Sem surpresas na largada
2 de janeiro de 2019
Rodrigo Maia ganha apoio de Bolsonaro
2 de janeiro de 2019

Expectativas positivas para o governo Bolsonaro

Brazil's new President Jair Bolsonaro and the members of this cabinet pose for an official photograph at the Planalto Palace, in Brasilia, Brazil January 1, 2019. REUTERS/Ueslei Marcelino

Em uma posse festiva e plena de emoção, Jair Bolsonaro chega ao Palácio do Planalto. De forma absolutamente inusitada para a política tradicional, Bolsonaro foi eleito em um movimento cívico que guarda imenso significado.  Rasgou os manuais de campanha eleitoral. Estabeleceu uma linha direta com o forte sentimento antipetista que existe no país. E venceu políticos e estruturas tradicionais.

O que esperar de um governo que se inicia sob o signo da emoção e de imensas expectativas?  Tenho expectativas positivas e explicarei por quê. As razões são as seguintes: Jair Bolsonaro está solidamente ancorado em três núcleos de poder de grande institucionalidade.

Na economia, Paulo Guedes traz o apoio do mercado financeiro e de boa parte do empresariado nacional e multinacional. E o melhor é que a nova equipe chega com o Brasil crescendo e com robustas reservas internacionais.  As expectativas para a economia são excelentes e devem se confirmar ao longo do ano.

O núcleo militar, presente com sete ministros, traz o compromisso da eficiência e da seriedade no trato da coisa pública. Além da experiência na gestão de pessoas e projetos, a presença de militares no governo traz unidade a setores relevantes da máquina pública.

O terceiro núcleo é comandado por Sérgio Moro e representa a chancela da Operação Lava-Jato ao novo governo. Com Moro no governo, existirá sempre a preocupação de autoridades e políticos em se comportar adequadamente na gestão governamental.

A segunda razão do meu otimismo está no Congresso Nacional. Bolsonaro parte com uma base política majoritária na Câmara e próxima à maioria no Senado.  Mesmo sem a garantia de maioria constitucional para emendas, vejo Bolsonaro com condições de construir consensos e avançar com temas relevantes ainda no primeiro ano.  Até mesmo pela tradicional boa vontade do Congresso com o presidente que chega.

A terceira razão está no fato de que o governo Bolsonaro chega com um norte ideológico bem definido em favor da cidadania. Existe uma clara disposição para desburocratizar, melhorar a qualidade dos serviços públicos. Enfim, dar mais eficiência à máquina pública e fazer o estado trabalhar para a cidadania e não o contrário. Como disse em seu discurso, Bolsonaro quer libertar o país do gigantismo estatal.

A quinta razão que aponto está na capacidade de comunicação de Jair Bolsonaro, aspecto crítico para o sucesso da administração pública. Mesmo que a grande mídia ainda tenha ranços e procure ressaltar aspectos polêmicos e negativos, a capacidade de Bolsonaro de se comunicar pelas redes sociais é uma vantagem imensa para alavancar um bom início de governo.

A sexta razão está no fato de que o ministro da Justiça Sérgio Moro está preparando um contundente pacote de medidas legais e administrativas no âmbito da segurança pública que irá fortalecer o combate à criminalidade e à corrupção. O uso da inteligência será intensificado e uma espécie de guarda nacional deverá ser criada para uso mais eficaz em situações de emergência.

Fazer prognósticos otimistas é muito arriscado. Seria mais confortável eleger as dificuldades tradicionais e alertar que as coisas podem não funcionar tão bem. Porém, os vetores que aponto são consistentes. Tanto pelas reformas implantadas  por Michel Temer quanto pela confiança com que Bolsonaro irá prossegui-las e aprofundá-las, bem como pelas possibilidades concretas de que o Brasil receba este ano, entre investimentos diretos e no mercado de capitais, mais de 160 bilhões de dólares.

Evidente que existem dificuldades no cenário. O mundo está sob ameaça de uma desaceleração. A guerra comercial entre Estados Unidos e China ainda traz incertezas. No âmbito interno, a crise fiscal dos estados é muito séria e o desafio da reforma previdenciária é inadiável. Porém, vejo o novo governo equipado para enfrentar os desafios com competência. Obviamente, o sucesso que espero que o governo Bolsonaro alcance dependerá de competência, resiliência e perícia. Em especial, nas negociações com o Congresso Nacional para a agenda de reformas. Porém, acredito que Bolsonaro construirá as pontes para o entendimento com o meio político. A melhora do ambiente econômico e  a maior proatividade no combate ao crime organizado terá o efeito de agregar apoio político. A equipe ministerial é de boa qualidade e o novo governo está muito energizado. Enfim, as expectativas iniciais para o governo Bolsonaro são positivas.